Matrix: Liberdade e Autonomia

Artigo escrito por Roberto Guimarães, Especialista em Sociologia e Diretor do Grupo Projetar - Evolução Pessoal, e por mim, em parceria com o site i9vadore.







AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS.

O filme Matrix se tornou cultuado por suas impressionantes cenas de ação com técnicas de filmagem inovadoras e pelos conceitos filosóficos que as diretoras Lilly e Lana manejaram com maestria. Infelizmente não se pode dizer o mesmo dos outros dois longas-metragens que formaram sequência com esta obra-prima.

Mesmo com maioria de aprovações, o filme teve suas críticas. Foi curioso verificar, por parte do público, descontentamento em relação ao final, em que o escolhido Neo levanta voo na Matrix contando apenas com seus próprios “poderes” recém-adquiridos. O suposto absurdo, apesar de não parecer mais inverossímil do que entortar colheres com a força do pensamento, desviar de uma rajada de tiros (mesmo Remo, desarmado e perigoso, desviava apenas de um disparo por vez) ou ressuscitar, incomodou bastante alguns espectadores.

Para falar disso, precisamos retornar à trama. Neo vivia uma vida que poderia ser chamada “normal”, trabalhando numa empresa durante o dia e hackeando durante a noite até o momento em que Morpheus cruza seu caminho e lhe oferece a oportunidade de enxergar a vida como ela realmente é. Neo opta pelo conhecimento, a famosa pílula vermelha, e descobre a escravidão da humanidade, iludida por poderosos softwares – a Matrix – que impedem a mente de diferenciar a realidade e a virtualidade. Ignorantes de sua condição, os seres humanos haviam se resumido a meras baterias para alimentar as dominantes máquinas.

Vídeos da minha parceria com Domínio Delas - Canal para Mulheres

Total de visualizações de página desde março de 2011

Seguir por email

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial dos conteúdos deste blog sem a autorização do autor.

Todas as imagens contidas neste blog foram retiradas do Google Images.