Surrogates – Substitutos: A Obsolescência do Corpo

Artigo escrito por Roberto Guimarães, Especialista em Sociologia e Diretor do Grupo Projetar - Evolução Pessoal, e por mim, em parceria com o site i9vadore.



AVISO: o texto abaixo contém SPOILERS.

O filme Substitutos, apesar de ser uma obra de ficção científica, representa aspectos da sociedade atual no que se refere às transformações decorrentes do uso da tecnologia nas relações com o tempo, com o espaço e com o outro. Apresenta o contexto de uma sociedade imobilizada em suas camas, na qual cada indivíduo está conectado a seu substituto cibernético.

Os robôs são responsáveis por realizar tudo pelas pessoas: trabalham, socializam, passeiam, etc. De quartos escuros, suas ações são comandadas por seres humanos parcialmente inutilizados pelo comodismo proporcionado pelo desenvolvimento tecnológico. As máquinas possuem até mesmo maneiras de se drogar e o fazem, o que reforça a ideia de que a necessidade de entorpecimento é uma constante na vida em sociedade e, segundo um ponto de vista sociológico, pode ser considerada normal – não que seja boa, justificável ou saudável em termos psicológicos, apenas que, por estar presente em qualquer forma de vida coletiva, é generalizável, o que leva a crer que é inerente às organizações sociais, uma consequência do funcionamento dos agrupamentos.

Com os simulacros eletrônicos em circulação, a sociedade futurista apresentada no filme experimenta uma mudança drástica em relação à criminalidade, se comparada com o momento atual: há anos não ocorrem crimes violentos, o que pode ser explicado pelo fato de que qualquer ataque, ao não se direcionar diretamente ao corpo do outro, tem seu impacto reduzido, sua potência perdida, e desmotiva o agressor potencial.

Total de visualizações de página desde março de 2011

Seguir por email

É expressamente proibida a reprodução total ou parcial dos conteúdos deste blog sem a autorização do autor.

Todas as imagens contidas neste blog foram retiradas do Google Images.